Fechar Cartórios Extrajudiciais Contato: 0800-797-9818 Ab.Chamados:www.suportesistemastjsp.com.br Cidadão Serviço de Informações ao Cidadão (SIC) - Lei 12.527/11
 
 

 



Coordenadoria de Correições, Organização e Controle das Unidades Extrajudiciais

Despachos/Pareceres/Decisões 106001/2003


ACÓRDÃO _ DJ 10-6/0-01 _ EMBARGOS DE DELCARAÇÃO
: 25/03/2009

   A C Ó R D Ã O
 
   Vistos, relatados e discutidos estes autos de EMBARGOS DE DECLARAÇÃO Nº 10-6/0-01, da Comarca de PRAIA GRANDE, em que é embargante ANA MARIA TRAVALLÃO DUARTE e embargado o OFICIAL DE REGISTRO DE IMÓVEIS, TÍTULOS E DOCUMENTOS, CIVIL DE PESSOA JURÍDICA E CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS E DE INTERDIÇÕES E TUTELAS DA SEDE.
 
   ACORDAM os Desembargadores do Conselho Superior da Magistratura, por votação unânime, em rejeitar os presentes embargos, de conformidade com o voto do relator que fica fazendo parte integrante do presente julgado.
 
   Participaram do julgamento, com votos vencedores, os Desembargadores SERGIO AUGUSTO NIGRO CONCEIÇÃO, Presidente do Tribunal de Justiça, e LUÍS DE MACEDO, Vice-Presidente do Tribunal de Justiça.
 
   São Paulo, 13 de novembro de 2003.
 
   (a) LUIZ TÂMBARA, Corregedor Geral da Justiça e Relator
 
   V O T O
 
   EMENTA: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. Alegada omissão. Discordância parcial quanto a um dos fundamentos. Caráter infringente. Embargos conhecidos e rejeitados.
 
   Ana Maria Travallão Duarte apresentou embargos de declaração ao v. acórdão de fls.105 a 110.
 
   Sustenta a embargante que a turma julgadora não se pronunciou sobre a incidência do artigo 1572 do Código Civil revogado e artigo 1.784 do Código Civil vigente, insistindo na possibilidade do registro do formal de partilha, pois os herdeiros e co-proprietários receberam quinhão para agregar aos que já possuíam, não havendo prejuízo potencial para terceiros, podendo ser mantido o bloqueio da matrícula depois de registrado o formal.
 
   É o relatório.
 
   A embargante não tem razão.
 
   O princípio da "saisine" foi respeitado e não se confunde com os princípios registrários, que também devem ser obedecidos, para a segurança jurídica que se exige na aquisição da propriedade imóvel.
 
   Respeitada a convicção da embargante, o acórdão apreciou a matéria por inteiro, não havendo omissão a ser suprida.
 
   A natureza jurídica e os efeitos do bloqueio já foram delineados no acórdão embargado e não há falar em permissão do registro do formal de partilha enquanto não regularizada a matrícula, pois haveria indevida mutação jurídica da situação do bem.
 
   Verifica-se, assim, que os embargos têm nítido caráter infringente.
 
   Ante o exposto, conheço dos embargos e os rejeito.
 
   (a) LUIZ TÂMBARA, Relator
 


Anexos


Descrição* Arquivo  
 Quantidade de registros: 0